25 de jul de 2011

Todo um engodo em torno do cume de afrodite


Zéfiro


Gosto muito de sexo. Exagero mesmo: pra mim é algo que está diretamente conectado com o que poderia ser chamado de alma -qualquer coisa que esteja entre minha cabeça e o céu. Tem emoção demais no sexo, é um momento onde o corpo está exposto, onde você tem uma oportunidadade de ser absolutamente sincero. Eu aproveito. Não tem a ver com obrigatoriedade de amor ou compromisso, é uma questão de conexão - se houver amor só melhora- : as pernas abrem naturalmente, o quadril mexe involuntário, seu corpo faz um S, em resumo, você quer dar e depois as suas coxas tremem. Não tem essas firulas de revistas femininas como "ponto G" "orgasmo" e demais balelas, um homem esteve dentro de você e mexeu dentro de você que fez o possível para que ele entrasse mais e mais e quando ele não aguentou, ele gozou, os dois gozaram - alegria.

 Acredito que essa conexão não aconteça constantemente, ao menos para mim.Acho emocionante gozar. Acharei sempre. Já saíram lágrimas quando cheguei ao que chamam de ápice de Afrodite - acabei de inventar essa, mas não lembra um desses nomes bregas de psicanálise?

Não me parece correto impor minhas condições e ultrapassar a liberdade indivual alheia, mas convém identificar os engodos. Eu identifico os meus, Deus ou sei lá...o diabo..(?) Talvez ambos me deram essa vontade de observar a queda livre das pessoas.

Aparentemente o sexo está em voga como uma forçação de barra para ser uma atividade mais próxima da orgânica - assim como evacuar, a atividade sexual pode ser encarada por algumas pessoas como necessidade. Tenho a impressão de que essa gente tem tentado subtrair as emoções que estão ligadas ao sexo para provar a elas mesmas que "aquilo ali não é nada demais". O resultado é uma dicotomia de ideias. E, infelizmente - sempre fora do grupo - com nenhuma delas me identifico. Porque me parece que em muitos casos não há emoção, apenas tentativas de encobrir frustraçoes sexuais e baixa autoestima tratando o sexo como algo regular e menos importante. As páginas lacradas e débeis das revistas femininas que querem te ensinar a pegar em um falo de 101 maneiras e incentivam as cretinas a usarem fantasias com velas e roupas de enfermeiras... no final das contas há um exu pronto pra trepar, mas não há uma mulher. Porque a mulher que estava ali foi lapidada pelo que há de pior: a obrigatoriedade de ser bem resolvida e etc.

Além de tudo, geralmente esse pessoal é ruim de cama. 

Para mim o tempo nada significa quando você está sem encontrar um homem - ainda que em um envolvimento fulgaz - que faça com que você molhe a calcinha pela ideia ou porque sabe medir a pressão dos dedos sob a sua cintura. As páginas das revistas podem ficar lacradas eternamente. O que procuro é a conexão que vai fabricar o chamado love juice ou mesmo umas gotinhas de lágrimas. 

*****

Agora esqueçam o que eu disse e prestem atenção no que escreveu García Lorca em um dos Sonetos do Amor Obscuro

"Deixa-me com ânsia de escursos planetas, 
mas nunca me mostres a cintura fresca"

(Déjame en un ansia de oscuros planetas, pero no me ensenes tu cintura fresca)

6 comentários:

Anna disse...

Sério mesmo que foi você quem escreveu isso? Já li tanta coisa sobre sexo, no intuito de entender (e fazer pessoas entenderem) o porque de eu colocar o sexo quase no mesmo patamar do "amar". Muito bom.

Henri Sardou disse...

Sexo com amor é muito bom realmente, mas sem amor deve ser bacana também, pq sexo é muito bom de qualquer jeito...

Roberto Ilia disse...

Camilla,

Belo texto! Falando em 'love juice', é importante ressaltar que várias mulheres, ao gozarem, ejaculam, liberando substancial líquido, que eu chamo erotizantemente de 'porra feminina'! O homem, cuja parceira ejacula, devo confessar, sente-se nos píncaros da glória.... É muito bom! Sexo é muito bom!

Gisele Lopes disse...

Camilla,

Que texto! É interessante a maneira que você se abre em seu blog. Acho que eu não teria essa coragem. Mas acho positivo para nós mulheres, essa sua tomada de posição pública. Quanto ao Roberto Ilia, Cara, não se expõe assim não, se a mulherada te achar, será um massacre, hehe(brincadeira)!

Anônimo disse...

As vestes de preconceitos usadas por muitos para achar que seus anseios não são naturais tornam as pessoas amargas, infelizes.
É importante e fundamental o sexo, forte. E é completamente único quando existe amor. Mesmo que um dia ele venha a acabar.
Adorei o texto! ;)
Karen Giovanni

rapagote disse...

imagino o quanto de mensagens "nossa que delícia de texto, gostaria de te comer todinha" você deve ter recebido depois dessa.

mas, parabéns, de fato o texto ficou interessante.

abs